Câncer / Notícias

Fernanda d'Avila

Publicado em 10/06/2019

Revisado em 10/06/2019

Pesquisa mostra que maioria dos pacientes crônicos só descobriu doença após aparecimento de sintomas

Dados reforçam necessidade de exames laboratoriais no diagnóstico precoce e prevenção de diversas doenças.

Logo da campanha Importante Prevenir, da SBPC.

 

Uma sondagem encomendada pela Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML) revela que 72% dos pacientes com doenças crônicas só descobriram o problema após o aparecimento de sintomas. A partir dos resultados, a entidade criou a campanha #ImportantePrevenir, para alertar a população da importância dos exames laboratoriais no diagnóstico precoce e prevenção de diversas doenças.

A pesquisa, realizada nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro, revela ainda que 48% dos pacientes crônicos acham que deveriam ter feito exame com mais antecedência para prevenir sua doença.

Segundo o presidente da SBPC/ML, Wilson Shcolnik, na maioria das vezes que ” o paciente apresenta sintomas é sinal de que a patologia já está instalada. Logo, a população não está realizando exames clínicos e laboratoriais básicos como forma de prevenção, mas sim de diagnóstico”, explica.

Shcolnik lembra que os testes descartam ou confirmam hipóteses de diagnóstico, apontam para a necessidade de uma investigação mais detalhada, auxiliam os especialistas em ações que podem evitar a manifestação da doença ou mesmo diagnosticá-la de forma mais precoce, aumentando as chances de tratamento e cura. “A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) estima que pacientes doentes custam 7 vezes mais do que um paciente saudável na mesma faixa etária “, completa o presidente da SBPC/ML.

Em matéria publicada em março no portal do Instituto Vencer o Câncer, o oncologista e fundador do IVOC Fernando Maluf explicou a importância do estabelecimento de políticas públicas para o rastreamento de alguns tipos de câncer. “Para os tumores mais comuns, ele tem a capacidade de diagnosticar mais precocemente, diminuir a mortalidade global e relacionada ao câncer e salvaguardar custos, que é um ponto muito importante”, afirmou.