Câncer / Notícias

Viviane Pereira

Publicado em 31/05/2019

Revisado em 05/06/2019

Veja como seu organismo se recupera ao parar de fumar

No Dia Mundial sem Tabaco vale lembrar que o câncer é a segunda principal causa de morte no mundo e destacar os benefícios de parar de fumar.

 

Mulher desfocada quebrando um cigarro ao meio.

“O tabaco é a causa conhecida mais comum de câncer. Mais do que isso: é um fator de risco evitável, ou seja, você consegue evitar. Alguns fatores de risco não se consegue evitar. Ele está associado não apenas ao câncer de pulmão, mas a uma série de tumores, como cabeça e pescoço, muito comum no Brasil, e câncer de bexiga, entre outros”, alerta o oncologista William William, membro do Comitê Científico do Instituto Vencer o Câncer.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o câncer é a segunda principal causa de morte no mundo e responsável por 9,6 milhões de mortes em 2018. A nível global, uma em cada seis mortes são relacionadas à doença. O tabagismo é o principal fator de risco para o câncer.

Diante dessas informações, a data escolhida para combater esse fator de risco para tantas doenças, o Dia Mundial sem Tabaco, 31 de maio, é um bom momento para perguntar:

 

Clique na imagem para ampliar.

Tabela com comparação entre benefícios e malefícios do cigarro.

image-14937

 

William William alerta que é importante lembrar que o tabaco causa não apenas câncer, mas uma série de outras doenças crônicas que também podem levar à morte, como doenças cardiovasculares, respiratórias, enfisemas, bronquite crônica. “Quando se fala em prevenção e cessão do tabagismo, falamos não apenas de prevenção ao câncer, mas de diversas doenças que acometem grande parte da população. Antigamente as pessoas morriam cedo, de infecções. Agora a população envelhece e começamos a ter as consequências, a longo prazo, da exposição ao tabagismo”.

Neste sentido, o tema do Dia Mundial Sem Tabaco de 2019 é “Tabaco e Saúde Pulmonar” e pretende conscientizar sobre “o impacto negativo que o uso do cigarro e a exposição ao fumo passivo exercem sobre saúde pulmonar, do câncer à doença respiratória crônica, além da importância dos pulmões na saúde geral das pessoas”.

 

Tabagismo é vício e fumante precisa de ajuda

O oncologista faz questão de lembrar que o tabagismo deve ser visto como um vício, porque o organismo fica viciado em tabaco. E ele faz um alerta: “O tabagismo tem que ser visto sem culpa. Parar de fumar não é uma tarefa fácil. Existem profissionais de saúde equipados com estratégias, medicação, psicoterapia, que ajudam a aumentar as chances de ter sucesso”.  Por isso, ele recomenda ao fumante buscar ajuda com pneumologista, psiquiatra, enfermeiro, psicólogo. “Há um time de pessoas que se especializam em cessação de tabagismo”.

Um incentivo para deixar o tabaco de lado, lembra o médico, é ter em mente que o fumante não prejudica apenas a ele, mas também aos familiares. “Precisamos alertar à população que o tabagismo passivo também é considerado um fator de risco para doenças”.

William comenta que toda medida que facilita o acesso ao tabaco – como a possível redução da tributação dos cigarros que está em discussão – preocupa a comunidade médica. “Sempre que você facilita o acesso, expõe as pessoas a esse risco maior e fica mais difícil fazer a cessação do tabagismo. Preocupa especialmente pelos mais jovens, adolescentes e adultos jovens, porque começam cedo a fumar e o tempo de exposição, assim como a quantidade, importa para aumentar o risco das doenças”.