Câncer / Notícias

Viviane Pereira

Publicado em 02/03/2020

Revisado em 03/03/2020

Visita dos pets no hospital traz renovação de ânimo aos pacientes oncológicos

As visitas são realizadas com indicação médica e devem seguir regras: dependendo das condições do paciente, a visita é realizada no jardim do hospital ou no quarto.

visita pets paciente e equipe hospital Beneficiência Portuguesa

 

Difícil dizer quem estava mais ansiosa: Ana Paula Massolin Monteiro, 41 anos, esperando no seu quarto de hospital a visita de suas filhas de quatro patas, ou as duas ‘meninas’, Lilly e Teka. Na hora do encontro, a alegria tomou conta não apenas das três, mas de todos que acompanharam a cena: médicos, profissionais de saúde e também a mãe da Ana Paula, Maria da Graça Gevaerd, responsável por levar as cachorrinhas para a visita na BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, onde Ana Paula estava internada para tratar uma pneumonia.

A iniciativa faz parte de um trabalho que o hospital desenvolve permitindo a visita de animais de estimação para ajudar a recuperação de pacientes oncológicos. “O pet no hospital traz alegria e o paciente mais alegre esquece um pouco o ambiente hospitalar”, comenta a oncologista clínica Carina Meira Abrahão.

A ideia de melhorar o ânimo com a visita deu muito certo para Ana Paula, que se sentiu renovada. “No dia em que internei, já estava um mês sem vê-las, com muitas saudades. Na hora em que o médico avisou que eu precisaria internar, perguntei se poderia trazer as duas na bolsa”, lembra. Apesar de ter ficado várias vezes internada desde que descobriu seu diagnóstico de câncer colorretal em 2013, foi a primeira vez que ela contou com a visita animadora – em outras ocasiões, por conta de cuidados com a imunidade e tratamento de quimioterapia, não foi possível.

 

Leia também: Quando um sangramento pode indicar um câncer

 

visita pets paciente Ana Paula

 

Como mãe orgulhosa, Ana faz questão de ressaltar que elas se comportaram: não latiram e ficaram quietinhas. “Fiquei ansiosa desde que o hospital aceitou que elas viessem. Foi uma emoção no momento em que a mais velha, a Lilly, veio me dar tchau. Não existe renovação de energia maior que essa. Não é fácil ficar internada, me privar do contato com elas por conta da doença”, conta. “A visita traz uma leveza não apenas para os pacientes, mas também para a equipe, porque trabalhar com pessoas com câncer não é fácil. Elas são minhas filhas; para mim, foi como receber a visita das minhas filhas”.

A presença dos pets traz alegria também para os parentes e amigos que acompanham o paciente. Foi exatamente o clima de animação que Woofy levou ao quarto de Aparecida Ângela, que estava sob cuidados paliativos e completava 53 anos no dia em que o cãozinho foi visitá-la, levado por Linsey, a patroa com quem a paciente trabalhava havia mais de 20 anos como babá quando recebeu seu diagnóstico, em 2015, de câncer de pâncreas metastático. A comemoração do aniversário teve também bolo e parabéns com a equipe do hospital.

“Para a Cida, a Linsey é da família e a patroa diz que minha irmã é mais do que babá, é da família também. Ela cuidou das crianças, que já cresceram, e continuou com eles”, revela Gabriela Vicentina Santos, irmã de Aparecida. “Nós somos de Carbonita, Minas Gerais, uma família com 11 irmãos. Com 22 anos eu vim para São Paulo morar com uma prima e depois minhas irmãs vieram, alugamos um apartamento. Eu, a Cida, a Rosa e a Luciana. Não tínhamos dinheiro, mas éramos muito felizes”, recorda Gabriela, emocionada enquanto segura a mão da irmã, que tem Woofy no colo. “O cachorrinho da patroa tem forte vínculo com a Cida, que cuida dele desde pequeno. Por isso ela trouxe, para deixar minha irmã feliz”.

Para a enfermeira de cuidados paliativos da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, Elizandra de Oliveira, a visita do pet, a comemoração do aniversário, a presença da equipe reunida, essas ações ajudam a cuidar do paciente não apenas em termos biológicos, mas também social, familiar e psíquico. “Para a família, que tem uma ligação com o animal, essa visita é importante também”.

“É um momento de grande significado; cada momento é único, especial. O paciente de cuidados paliativos tem grandes demandas e sofrimentos não apenas físico. É o momento do adeus, do obrigado e do perdão, do cuidado espiritual. É importante que fiquem registrados bons momentos e o animal traz isso”, comentou Tomaz Aquino, geriatra de cuidados paliativos do hospital.

A oncologista Carina avisa que as visitas são realizadas com indicação médica e devem seguir regras: dependendo das condições do paciente, a visita é realizada no jardim do hospital ou no quarto – nesse caso, apenas para cães de porte menor; precisa ter um relatório médico veterinário para assegurar as condições de saúde e do comportamento do animal, que deve ter banho, escovação para remoção do excesso de pelos e corte de unhas antes da  visita; deve-se restringir a ingesta hídrica e alimentar do pet em até 2 horas antes da visita e realizar o transporte do animal em caixa adequada, com entrada feita pela portaria de funcionários; as patas serão higienizadas antes da entrada no quarto e a permanência será limitada a 15 minutos.