Dia a Dia do Paciente / Atividade Física

Fernanda D'Avila

Publicado em 21/06/2018

Revisado em 21/06/2018

Histórias de superação marcam I Corrida Busque Vencer

rescaldo corrida busque vencer

Pontualmente às 7 horas da manhã do dia 10 de junho, no Vale do Anhangabaú, cerca de mil pessoas davam início a primeira Corrida Busque Vencer. Os atletas com necessidades especiais largaram cinco minutos antes, para cumprir um percurso de três quilômetros de caminhada ou de sete quilômetros de corrida. Nem a baixa temperatura ou a névoa que cobria os edifícios mais altos do Centro de São Paulo afastaram a animação dos participantes. Afinal, todos corriam por uma boa causa.

O propósito principal da Corrida Busque Vencer não era apenas estimular a prática de atividade física, mas divulgar informações importantes para a saúde, como não fumar, alimentar-se com qualidade, ir ao médico regularmente e manter uma atitude positiva perante a vida. O chamado atraiu atletas de todas as idades.

Os primeiros colocados completaram os sete quilômetros em menos de 30 minutos. Quem chegava recebia a medalha prateada, água e frutas para repor as energias. E tirava fotos para registrar o momento de alegria com amigos, familiares e companheiros dos grupos de corrida.

Para muitos, a vitória representava mais que cruzar a linha de chegada. Depois do encerramento da prova, antes da premiação dos primeiros classificados, o público presente acompanhou depoimentos importantes, que revelaram histórias de superação, seja da mulher que participou de sua primeira prova depois de finalizado o tratamento de um câncer de mama, ou da senhora de 82 anos que participou da primeira caminhada em companhia do filho.

O oncologista Fernando Maluf, um dos fundadores do Instituto Vencer o Câncer, conversou com os participantes antes de iniciar a premiação. Ele destacou a importância dos hábitos saudáveis tanto para a prevenção do câncer quanto para os pacientes que venceram a doença. E relatou o encontro que teve com o paciente Geovani Tavares, no meio do percurso. “O Geovani chegou a usar uma cadeira de rodas durante o tratamento contra o câncer. Hoje tive a agradável surpresa de vê-lo aqui, participando da caminhada, com saúde e disposição”, acrescentou Maluf.

Entre os primeiros colocados, novos exemplos de superação. Ana Luiza Garcez, vencedora da prova feminina, relatou brevemente como o esporte e a prática da corrida fizeram com que ela saísse das ruas e abandonasse o vício em drogas. No masculino, o primeiro lugar ficou com Marcel Salgado da Silva, que também enfrentou diversas contusões e longos tratamentos para voltar a disputar uma prova de rua. Os resultados finais estão em www.corridabusquevencer.com.br