Dia a Dia do Paciente / Efeitos Colaterais

Juliana Conte

Publicado em 06/11/2014

Revisado em 08/03/2017

Câncer e falta de libido. Por que isso acontece?

Além dos desconfortos usuais causados pela quimioterapia, como enjoos, diarreia e fadiga, o tratamento do câncer também pode causar perda do interesse sexual. Os tumores que mais frequentemente afetam a libido são os ginecológicos e o de próstata.

A primeira coisa que é importante saber é: após o tratamento, a libido volta! Não se preocupe pensando que o problema será permanente.

Entre homens e mulheres, em geral são elas que sofrem mais com o problema. “O tratamento quimioterápico é extremamente forte para o organismo e leva à perda progressiva de hormônios”, afirma o cirurgião oncologista e diretor de Ginecologia do A.C. Camargo Cancer Center, Glauco Baiocchi Neto. Além da possibilidade de a mulher parar de menstruar, pode ocorrer uma menopausa precoce, e com ela chegam sintomas chatos como ondas de calor, alterações vaginais, suores noturnos e depressão. Como a substituição hormonal não é indicada nos casos de cânceres ginecológicos, o recomendado é: paciência. [relacionados]

“Dependendo da idade, a menopausa pode ser transitória ou definitiva. Além disso, o medo e o estresse do diagnóstico contribuem bastante para que a mulher não tenha vontade de ter atividade sexual. Muitas vezes a falta de libido tem duas causas, uma orgânica e a outra psicológica”, esclarece Neto.  “A psicoterapia pode ajudá-la nesse último caso, assim como uma conversa com o parceiro, que precisa ser compreensivo e respeitar esse momento”.

As mulheres que passam por tratamento radiológico na região da pelve também percebem que a vagina fica muito mais seca. Com isso, o ato sexual se torna extremamente doloroso e inviável pela simples falta de lubrificação. “É importante conversar com o médico e relatar as queixas, pois uma maneira de tentar reverter o problema é utilizando lubrificantes íntimos, com aplicadores intravaginais. Mas é importante avaliar cada caso para encontrar a melhor saída”, diz Glauco.

Os homens que passam por tratamento de câncer de próstata também podem enfrentar dificuldades do gênero, mas com diferenças sutis. Às vezes, a vida sexual fica prejudicada não por falta de desejo, mas porque ocorre disfunção erétil. Não se desespere. Esse não é um problema que ocorre sempre, e em tais casos o problema pode ser resolvido por meio de medicamentos orais, injeções ou até implantes de próteses penianas.