Dia a Dia do Paciente / Efeitos Colaterais

Tarima Nistal

Publicado em 25/07/2014

Revisado em 28/07/2015

Veja como cortar os cabelos se quiser doar para pessoas com câncer

cabelo-leaf-537x336“Quando eu fui diagnosticada com câncer, chorei ao saber que teria que fazer quimioterapia, pois sabia que meus cabelos cairiam. E pra nós, mulheres, o cabelo é quase tudo”. O depoimento é de Juciela Ferraz, 27. Mas poderia de ser de quase qualquer mulher que tenha que passar pelo tratamento. Muitos tipos de quimio fazem cair cabelos e pelos. Basicamente, isso acontece porque a terapia age em todas as células do corpo, não apenas nas cancerígenas, e atinge principalmente aquelas que se multiplicam com mais rapidez, como as localizadas nos folículos pilosos, responsáveistão pela produção dos pelos do corpo.

Perder o cabelo não é fácil. Quem não se lembra da cena em que a atriz Carolina Dieckmann raspa a cabeça ao representar uma personagem com leucemia, na novela Laços de Família, e chora? Qual mulher não sente uma ponta de desespero ao perceber que cortou o cabelo curto demais? “Cabelo cresce, não se desespere”, dizem as amigas, mas nem sempre é assim. Quem está passando por tratamento médico como a quimioterapia tem que ter paciência para lidar com os enjoos, dificuldade para dormir, inúmeras outras alterações no organismo e ainda sofre com a auto-estima abalada.

Pensando nesse último efeito e como os cabelos podem ajudar, organizações como Cabelegria, Rapunzel Solidária, Banco de Perucas Laço Rosa e muitas outras fazem a mediação entre pacientes que precisam de perucas e pessoas dispostas a doar seus cabelos. Em menos de um ano de existência, a Cabelegria, que faz doações de peruquinhas para crianças, já beneficiou cerca de 40 pacientes. Eles recebem em média de 2 a 4 mil doações por mês, mas são necessário muitos fios para fazer uma só peruca — por isso, na hora de doar, quanto mais cabelo, melhor.

Alegria para quem doa e para que recebe

[relacionados]

Juciela Ferraz sempre teve as madeixas bem longas e muita vaidade devido a elas, mas não chorou quando cortou os cabelos. Seu próprio marido cortou. “Me olhei no espelho e disse: ‘não estou feia, apenas diferente!’, e assim foi até os novos cabelinhos chegarem”. Há três meses sem quimio e com cabelos com cerca de 8 cm, recebeu a doação diretamente de uma amiga, sem intermediários. “Eu fiquei muito emocionada com o carinho, solidariedade, amor e afeto dela por mim. Ela esteve em todas as fases do meu lado”.

Esse é o mesmo sentimento de Lídia Lara Campos, 28, que doou para uma entidade hospitalar em Brasília. “Tinha vontade de doar há muito tempo. Fui deixando o cabelo crescer. Quando soube que minha mãe estava com câncer de mama, resolvi que era este o momento: doei aproximadamente 20 centímetros”.

Doe você também

Saiba quais são as principais regras para fazer a doação de seus cabelos. Homens também podem contribuir, assim como pacientes que começaram a fazer a quimioterapia e resolveram cortar todos os fios. Caso vocês deseje cortar sozinho ou dividindo o momento com alguém, siga as recomendações abaixo. Se for a um cabeleireiro, leve as orientações para o salão.

  • Os cabelos precisam ter, no mínimo, uma mão de comprimento (Cerca de dez centímetros). Para cabelos repicados ou em corte “V”, é aconselhado que o corte tenha no mínimo 15 centímetros.
  • Ao contrário do que muitos dizem, não importa se tem química ou é tingido.
  • Amarre em um rabo de cavalo antes de cortar.
  • Nunca deixe os fios cortados tocarem o chão.
  • Corte o cabelo seco, em sua forma natural. Sem chapinha ou escova.
  • Coloque em um saco plástico e envie ao endereço da instituição.