Dia a Dia do Paciente / Efeitos Colaterais

Tainah Medeiros

Publicado em 24/06/2014

Revisado em 12/01/2017

Cinco alimentos que ajudam a controlar o enjoo

Além de todo o impacto psicológico que um diagnóstico de câncer traz aos pacientes, eles ainda têm que lidar com os incômodos efeitos colaterais da quimio e da radioterapia.

Ambos resultam em toxicidade para o trato gastrointestinal, o que, consequentemente, leva comumente ao desinteresse pela alimentação, náuseas, vômitos, disgeusia (alteração ou distorção do sentido do gosto/paladar), mucosite (inflamação da mucosa de revestimento do tubo digestivo), diarreia, xerostomia (redução da produção de saliva/boca seca), entre outros. E a alimentação, que era para ser fonte de prazer, acaba se tornando insatisfatória.

“Nesses casos, a intervenção nutricional por meio da orientação alimentar e da prescrição de suplementos é necessária para a minimizar o impacto no estado nutricional, visto que a perda de peso é frequente em pacientes com câncer”, explica a nutricionista Camila Leonel, da Universidade Federal de São Paulo.

O primeiro passo é conscientizar o paciente da necessidade de comer, embora as náuseas e os vômitos estejam constantemente presentes. Uma das dicas da nutricionista é fracionar o que se come em mais partes, reduzindo o volume por refeição e fazendo de seis a oito refeições ao dia. “Sabemos que o jejum prolongado é um dos fatores que provocam o enjoo, por isso é necessário realizar mais refeições por dia, em menores quantidades”.

Além disso, 5 alimentos podem ser grandes auxiliares no combate ao enjoo:

Menos saliva

Dê preferência aos alimentos mais secos, como torradas, pães, bolachas e biscoito (sem recheios). A consistência desse tipo de alimento auxilia no controle da sialorreia (aumento da produção de saliva), um dos sintomas comuns durante a náusea. Outro fator importante é que, por serem fontes de carboidratos, são de fácil mastigação, digestão e absorção, contribuindo com o controle da taxa de açúcar no sangue (glicemia). Também apresentam sabor neutro, o que diminui o estímulo sensorial do reflexo do vômito.

Fácil digestão

Banana nanica é um ótimo aliado para ajudar a controlar o enjoo, além de ser um alimento com consistência mole, o que torna a digestão mais fácil e reduz a possibilidade de contração do estômago, que pode causar o vômito. A fruta também é rica em potássio, que controla o vômito, e vitamina B, que ajuda a evitar a náusea.

Quanto mais frio, melhor!

Procure consumir raspadinha de gelo ou mesmo um cubo de gelo 40 minutos antes das refeições. Inclusive, se possível opte pelas preparações em temperatura ambiente ou por ingerir alimentos frios. A baixa temperatura amortece os receptores de paladar, o que pode ajudar na deglutição do alimento.

Azedinho do bem

Frutas cítricas (como limão, por exemplo), são ricas em ácido fólico, uma vitamina do complexo B que estimula a formação dos ácidos digestivos, favorecendo o esvaziamento gástrico e diminuindo o surgimento de enjoos. Alguns pacientes reduzem muito a sensação de náusea ao chupar sorvete de limão ou mesmo a fruta in natura.

Hidrate-se

Deve-se priorizar a ingestão de oito a dez copos de líquidos entre as refeições para evitar desidratação. Essa medida minimiza a pressão no estômago, reduzindo a ocorrência de refluxo. Entre os líquidos, boas opções são os líquidos claros, como sucos, chás e caldos, limitando o uso de líquidos com muita cafeína, incluindo refrigerantes à base de cola, café e chá preto ou mate ou verde.

Dicas da nutricionista

  • Evite que o paciente fique próximo à cozinha na hora do preparo da refeição para impedir que os cheiros dos alimentos durante a cocção acentuem as náuseas;
  • Prepare pratos visualmente agradáveis e coloridos;
  • Use talheres de plástico, caso o sabor de metal esteja interferindo no sabor dos alimentos;
  • Mantenha a cabeça elevada 45° durante e após as refeições;
  • Crie sempre um ambiente agradável para se alimentar. Mesas bem arrumadas, conversas agradáveis e um bom fundo musical podem ser úteis.