noticias-bexiga / noticias-bexiga

Sergio Azman/Agência Onconews

Publicado em 24/07/2017

Revisado em 30/05/2019

Cigarros eletrônicos e câncer de bexiga

cigarro eletronico

Estudos apontam que cigarro eletrônico pode ser fator de risco para câncer de bexiga.

O tabagismo é causa conhecida de diversos tipos de câncer. Apresentado como uma alternativa mais segura ao tabagismo, o uso do cigarro eletrônico vem ganhando popularidade. Mas será que o e-cigarro é realmente tão seguro como se acredita? Estudos apresentados no encontro anual da American Urological Association (AUA) sugerem que não. Os trabalhos mostraram que a composição dos líquidos de cigarros eletrônicos é complexa e pode conter carcinógenos conhecidos como nitrosaminas, formaldeído, acroleína, metais e acetaldeído, possivelmente contribuindo para aumentar o risco de câncer de bexiga.

“Esses estudos levantam novas preocupações sobre o impacto prejudicial dos cigarros eletrônicos no câncer de bexiga”, disse o oncologista Antonio Carlos Buzaid, diretor-geral do Centro Oncológico Antônio Ermírio de Moraes, da Beneficência Portuguesa de São Paulo, e membro do Comitê Gestor do Centro de Oncologia do Hospital Israelita Albert Einstein.

Pesquisadores da Universidade de Pittsburgh1 compararam a urina de 13 usuários de cigarros eletrônicos com um grupo controle de dez não fumantes, analisando cinco carcinógenos da bexiga conhecidos: benz(a)antraceno, benzo(a)pireno, 1-hidroxipireno, o-toluidina e 2-naftilamina.

Duas dessas cinco moléculas – o-toluidina e 2-naftilamina – foram encontradas na urina de 12 dos 13 usuários de cigarros eletrônicos e não foram encontradas em nenhum dos participantes do grupo não fumante. Os outros três carcinógenos não foram encontrados nos testes de urina de nenhum dos participantes do estudo.

No outro estudo2, pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Nova York descobriram que a fumaça do cigarro eletrônico pode induzir danos tumorigênicos no DNA na mucosa da bexiga em camundongos utilizados como cobaias. O mesmo efeito também foi observado em uma experiência in vitro utilizando células uroteliais humanas.

“Sabemos que o tabagismo tradicional aumenta o risco de câncer de bexiga e, dado o aumento da popularidade dos cigarros eletrônicos, é necessário descobrir possíveis relações entre a fumaça do cigarro eletrônico e os tumores de bexiga, entre outros tipos de câncer. Esses estudos reforçam a importância da cessação do tabagismo, seja de cigarros tradicionais ou eletrônicos”, conclui Buzaid.

Referências:

MP88-14 Evaluation of e-cigarettes users urine for known bladder carcinogens – doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.juro.2017.02.2739
http://www.jurology.com/article/S0022-5347(17)34205-2/fulltext

PNFBA-11 e-cigarette smoke is potentially bladder carcinogenic – it induces tumoregenic DNA and inhibits DNA rapair in urothelial cells – doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.juro.2017.02.3240
http://www.jurology.com/article/S0022-5347(17)34706-7/fulltext