Dia a Dia do Paciente / Efeitos Colaterais

Juliana Conte

Publicado em 04/01/2016

Revisado em 08/03/2017

FDA libera comercialização da touca gelada

O FDA (Food and Drug Administration, órgão que controla a comercialização de medicamentos nos EUA) liberou a comercialização de toucas que ajudam a inibir a queda de cabelos durante o tratamento quimioterápico, um dos efeitos colaterais mais indesejados e temidos pelos pacientes.

Leia mais: Tanto rádio quanto químio podem provocar queda do cabelo

Na verdade, toucas similares já são utilizadas há alguns anos por grandes centros de oncologia no Brasil e no mundo e com grande sucesso (veja aqui). Entretanto, é a primeira vez quem um instrumento do tipo tem o aval da instituição, que baseou a sua decisão em um ensaio clínico de 122 mulheres com câncer de mama que necessitaram ser submetidas à quimioterapia. Mais de 2/3 das mulheres que usaram a touca relataram perder menos de metade do seu cabelo. Os efeitos colaterais mais comuns foram dores de cabeça, pescoço e ombro desconforto, calafrios e dor.

O primeiro dispositivo aprovado pela FDA é o Sistema de resfriamento DigniCap, fabricado pela empresa sueca Dignitana, Inc. As toucas que os pacientes utilizam durante as infusões de químio são conectadas a um computador que faz circular um líquido refrigerado. Uma segunda touca feita de neoprene impede que o frio escape. A ação do dispositivo faz com que os vasos sanguíneos se contraiam. Dessa forma, a quantidade de medicação que chega até a raiz do cabelo é menor, diminuindo a quantidade de fios afetados.

No entanto, alguns médicos têm se preocupado com a questão da refrigeração. Alegaram que o resfriamento do couro cabeludo pode proteger as células cancerosas, fazendo com que elas resistam ao tratamento e continuem crescendo. Por sua vez, o comunicado de imprensa da FDA sobre o produto informa que o risco de isso acontecer é extremamente baixo. Ainda assim, o FDA não forneceu informações se foram realizados estudos para medir os resultados a longo prazo.