noticias-prostata / noticias-prostata

Franciele Freitas

Publicado em 19/11/2019

Revisado em 19/11/2019

O câncer de próstata e os cuidados com a (in) continência urinária

A próstata age como um mecanismo de continência no homem, através de uma leve compressão na uretra.

image-15682

O câncer de próstata ou qualquer aumento da próstata, mesmo que benigno, pode resultar em uma dificuldade para urinar, devido a uma compressão na uretra, que é o canal que leva a urina da bexiga para fora do corpo.

Por conta destas condições, muitos homens não conseguem esvaziar a bexiga completamente e podem apresentar sintomas de frequência alta (micção excessiva), noctúria (necessidade de se levantar durante a noite para esvaziar a bexiga) e urgência (vontade súbita de ir ao banheiro).

Nesta fase, em que o paciente está sendo medicado ou preparado para uma cirurgia, ele pode fazer o esvaziamento da bexiga por meio de um procedimento chamado “cateterismo intermitente limpo”, que é a introdução de um cateter na bexiga para a eliminação de resíduos, ou substituição de uma micção difícil. A técnica evita que restos de urina fiquem retidos na bexiga e causem problemas como infecções e disfunções nos rins. Nesta fase, o paciente vai precisar de um treinamento de um enfermeiro capacitado, que vai auxiliá-lo neste processo.

Quando há o diagnóstico de câncer e o melhor tratamento é a retirada da próstata, pode ocorrer uma evolução para a incontinência urinária. A próstata age como um mecanismo de continência no homem, através de uma leve compressão na uretra. Quando ela é retirada, fica esse espaço vazio e, muitas vezes, essa musculatura não está treinada para conter a urina.

Na fase inicial, o paciente vai precisar de um treinamento muscular, com a percepção da musculatura, contração e relaxamento, de forma sistematizada. A evolução ocorre de acordo com a complexidade do treinamento, até chegar a continência urinária novamente, o que depende das condições de cada indivíduo.

Franciele Freitas – enfermeira estomaterapeuta, integrante da Sobest – Associação Brasileira de Estomaterapia: estomias, feridas e incontinências