Tipos de câncer / Câncer de cérebro



Câncer de cérebro | O que é?

ANATOMIA

O cérebro, principal parte do sistema nervoso central, é constituído pelos hemisférios direito e esquerdo, que são unidos por uma estrutura anatômica, chamada corpo caloso. Nos hemisférios localizam-se os ventrículos laterais direito e esquerdo, que se comunicam com o terceiro ventrículo. Os ventrículos são cavidades no qual o liquor (líquido cefalorraquidiano) se encontra.

O hemisfério esquerdo na grande maioria dos pacientes tem como função o controle do pensamento lógico e competência comunicativa. O hemisfério direito é responsável por outras funções, como o pensamento simbólico e a criatividade. As funções do controle da parte motora localizam-se tanto no hemisfério direito quanto no esquerdo. Vale notar, no entanto, que a parte direita do cérebro coordena a função motora do lado esquerdo do corpo e vice-versa.

Outra estrutura importante do sistema nervoso central é o cerebelo, que controla o ato de caminhar, a coordenação e o equilíbrio. Entre o cerebelo e a medula espinal está o tronco cerebral, que, por ser um tipo de “funil” por onde passam todas as conexões nervosas, tem relevância fundamental em funções não só motoras, mas visuais, de deglutição e respiratórias. O cérebro é formado por lobos, que estão presentes em ambos os hemisférios.

Anatomia do sistema nervoso central.

Anatomia do sistema nervoso central.

Os lobos e suas funções estão descritos a seguir:

  •  Lobos frontais direito e esquerdo (localizam-se mais à frente do cérebro): atuam nas funções de planejar, agir, falar, gesticular, pensar de forma abstrata e se movimentar. Além disso, essa área do cérebro controla funções relacionadas ao comportamento, humor, afetividade, atenção e iniciativa para executar ações;
  • Lobos occipitais (localizam-se mais atrás do cérebro): coordenam as funções da visão e de reconhecimento de objetos e pessoas;
  • Lobos temporais (estão localizados na região lateral do cérebro): coordenam as funções de aprendizagem, memória, compreensão da linguagem e processamento visual;
  •  Lobos parietais (estão localizados na região superior do cérebro): coordenam as funções envolvidas na percepção de sensações como o tato, a dor e o calor, além de controlar a capacidade de se localizar no espaço e reconhecer objetos através do tato.

HISTÓRIA NATURAL DA DOENÇA

O câncer de cérebro tem tempo de crescimento extremamente variável, podendo ser medido em dias ou até em anos. O que determina se terão comportamento agressivo ou crescimento lento é basicamente o tipo de tumor e seu grau de diferenciação. Este último é definido pelo médico patologista com base nas semelhanças (baixo grau) e nas diferenças (alto grau) existentes entre as células tumorais e as do tecido cerebral normal.

Os tumores de baixo grau costumam ter prognóstico melhor porque crescem lentamente e não são tão infiltrativos. Já os de alto grau apresentam comportamento oposto. Eventualmente, durante o crescimento, células malignas podem chegar até o local por onde circula o liquor, líquido que banha o sistema nervoso central, e invadir as meninges, que se estendem do cérebro até a parte mais inferior da medula espinhal.

Os gliomas de baixo grau podem, no curso da evolução (que em média varia de três a 15 anos), mudar de grau e de comportamento, tornando-se tumores malignos ou de alto grau ou indiferenciados. Ao contrário dos tumores de outros órgãos, os cerebrais quase nunca formam metástases em órgãos distantes, como pulmões, fígado e ossos.

TIPOS DE TUMORES CEREBRAIS

Os principais tipos são os seguintes:

Astrocitomas

Os astrocitomas são os tumores mais comuns. Originam-se nas células da glia, que constituem o maior componente do tecido cerebral. De acordo com a aparência microscópica e o comportamento biológico, os astrocitomas são divididos em quatro grupos, apresentados em ordem crescente de agressividade:

  •  Astrocitoma pilocítico (grau 1): tumor benigno de crescimento extremamente lento, muitas vezes curável somente com a cirurgia. Acomete principalmente pacientes jovens e crianças.
  • Astrocitoma de baixo grau (grau 2): tumor benigno de crescimento lento, porém mais infiltrativo que os tumores de grau 1, com o risco potencial de se transformar em tumores mais agressivos (graus 3 e 4). Costumam ocorrer em pessoas abaixo de 40 anos.
  • Astrocitoma anaplásico (grau 3): tumor maligno de crescimento relativamente rápido, com padrão de crescimento infiltrativo, exibindo células com características diferentes daquelas do tecido cerebral normal, em proliferação, e com excesso de vasos sanguíneos. Esses tumores geralmente se instalam em pacientes entre 40 e 50 anos.
  • Glioblastoma multiforme (grau 4): tumor maligno de crescimento muito rápido, com padrão de crescimento infiltrativo, exibindo células com características muito diferentes daquelas do tecido cerebral normal, em franca proliferação, com excesso de vasos sanguíneos e áreas de necrose. São tumores que costumam acometer pessoas de 40 a 60 anos.

Oligodendrogliomas

Constituem o segundo tipo mais frequente. Como no caso dos astrocitomas, dividem-se em tumores de baixo e alto grau (também chamados de anaplásicos). Os tumores de baixo grau apresentam crescimento lento e comportamento pouco agressivo. Os de alto grau têm crescimento rápido e são mais agressivos.

Meningiomas

São mais comuns em mulheres e guardam relação com os hormônios femininos e a gravidez. Em mais de 90% dos casos são tumores benignos, que apresentam crescimento extremamente lento, muitas vezes diagnosticados incidentalmente durante exames de rotina. As taxas de cura são muito altas. O tratamento de escolha é a cirurgia, mas com frequência os pacientes podem apenas ser acompanhados.
Uma fração pequena dos meningiomas é agressiva. Nesse caso eles recebem o nome de atípicos ou anaplásicos, e devem ser tratados com cirurgia, eventualmente associada à radioterapia.

Tumores raros

Essa categoria inclui os ependimomas, meduloblastomas e linfomas. Este último acomete preferencialmente pacientes mais idosos e com doenças que comprometem a imunidade, como a AIDS.

Metástases de outros tumores

São os tumores mais encontrados no cérebro. Os que mais formam metástases cerebrais são os que se originam no pulmão, mama, pele (melanoma) e rim. O tratamento das metástases cerebrais depende do quadro clínico, da idade do paciente e do número, tamanho e localização das lesões. O tratamento pode envolver cirurgia, radiocirurgia, radioterapia, quimioterapia ou a associação dessas modalidades. Metástases cerebrais não serão discutidas neste capítulo, porque seu tratamento depende do tipo de tumor primário que lhes deu origem.