Tipos de câncer / Câncer de ovário



Câncer de ovário | O que é

Apesar de não ser o mais comum, o câncer de ovário é o mais grave dos tumores ginecológicos. Constitui 4% de todos os tumores malignos do corpo humano e se instala predominantemente em mulheres acima de 50 ou 60 anos. A chance de uma mulher desenvolver câncer de ovário durante a vida é de uma em 71.

ANATOMIA

Os ovários, direito e esquerdo, localizam-se na pelve, próximos ao útero. São responsáveis pela produção de óvulos e de hormônios femininos, como estrógeno e progesterona.

Figura 1: Localização dos ovários

Localização dos ovários

O ovário é formado por três tipos básicos de células: as células epiteliais, que revestem sua superfície, as células germinativas, que dão origem aos óvulos, e as células da teca-granulosa, que produzem os hormônios femininos.

Figura 2: Anatomia do ovário com visão ampliada do órgão. Note a localização das células epiteliais, as células germinativas e as células estromais (teca-granulosa), pois cada uma pode originar um tipo diferente de câncer de ovário.

Anatomia do ovário com visão ampliada do órgão. Note a localização das células epiteliais, as células germinativas e as células estromais (teca-granulosa), pois cada uma pode originar um tipo diferente de câncer de ovário.

HISTÓRIA NATURAL DA DOENÇA

Na medida em que cresce, o câncer de ovário invade a cápsula que envolve o ovário. Nessa fase, as células malignas podem chegar ao útero e à bexiga, ou disseminar-se pela cavidade abdominal inteira, do assoalho da pelve à superfície do diafragma

Crescimento local do câncer de ovário. Note que o câncer invade a cápsula que envolve o ovário, com posterior invasão do útero e bexiga, e, em fases mais avançadas, do peritônio da cavidade abdominal.

Crescimento local do câncer de ovário. Note que o câncer invade a cápsula que envolve o ovário, com posterior invasão do útero e bexiga, e, em fases mais avançadas, do peritônio da cavidade abdominal.

As células malignas eventualmente alcançam os linfonodos abdominais, responsáveis pela drenagem linfática dos ovários, e chegar à pleura, por contiguidade, rompendo a barreira representada pelo diafragma, provocando derrame pleural. Nos casos mais avançados podem surgir metástases no interior do fígado, nos pulmões ou no cérebro.

Alguns tipos de câncer de ovário apresentam crescimento lento e baixo potencial de malignidade, permanecendo restritos ao ovário por muito tempo, sem invadir o peritônio ou outros órgãos: são os tumores borderline

Crescimento à distância do câncer de ovário. Note que o câncer pode comprometer os linfonodos pélvicos abdominais (A) e em seguida fígado, pulmões, pleura e cérebro (B).

Crescimento à distância do câncer de ovário. Note que o câncer pode comprometer os linfonodos pélvicos abdominais (A) e em seguida fígado, pulmões, pleura e cérebro (B).

TIPOS DE CÂNCER DE OVÁRIO

O câncer de ovário não é precedido por uma lesão pré-maligna. No entanto, existe uma variedade de tumores malignos de ovário que são considerados de baixo potencial de malignidade (chamados de tumores borderline), por apresentarem comportamento mais indolente e crescerem mais devagar. Os tipos de câncer de ovário mais comuns são os que se originam nas células epiteliais:

Cistadenocarcinoma seroso-papilífero

Constitui cerca de 75% dos tumores invasivos.

Carcinoma endometrioide

Dos tumores epiteliais, é o segundo tipo mais frequente.

Carcinoma mucinoso e carcinoma de células claras

Apresentam comportamento mais agressivo que os dois primeiros, maior risco de metástases e respostas mais desfavoráveis à quimioterapia, principalmente quando diagnosticados em fases avançadas.

Tumores não invasivos ou de baixo potencial de malignidade (borderline)

Entre os tumores não invasivos ou de baixo potencial de malignidade (borderline), os carcinomas serosos e os mucinosos são os mais frequentes. São tumores relativamente incomuns, que crescem lentamente e raramente dão origem a metástases. Tendem a acometer pacientes mais jovens e apresentam altos índices de cura.

Tumores raros

Tumores da célula da granulosa, de Sertoli-Leydig Esses tumores se originam nas células estromais produtoras de hormônios femininos e são altamente curáveis. Por se originarem em células que produzem hormônios femininos, eles são chamados de tumores do cordão sexual.

Tumores germinativos

Esses tumores, originados nas células germinativas que dão origem aos óvulos, representam menos que 3% a 5% de todos os tumores ovarianos e são altamente curáveis. Os tipos mais comuns são: teratoma imaturo (o teratoma maduro é um tumor benigno), disgerminoma, tumor do seio endodérmico e coriocarcinoma.