Tipos de câncer / Câncer de pâncreas



Câncer de pâncreas | O que é?

ANATOMIA

O pâncreas localiza-se na parte superior da cavidade abdominal, em uma área chamada de retroperitônio, situada atrás do estômago. Divide-se em três partes: cabeça, corpo e cauda.

Localização do pâncreas.

Localização do pâncreas.

A cabeça do pâncreas tem íntima relação com os vasos mesentéricos (artéria e veia responsáveis pela irrigação das alças intestinais), com o duodeno (que faz a comunicação entre o estômago e o intestino delgado) e as vias biliares distais (canais que trazem a bile do fígado para o intestino).  O corpo e a cauda do pâncreas têm como “vizinhos” os vasos esplênicos (que irrigam e drenam o baço) e o próprio baço.

[relacionados]

Além desses órgãos, circundam o pâncreas parte do cólon, vasos sanguíneos, linfonodos e feixes nervosos. O pâncreas exerce duas funções distintas:

  • Endócrina: exercida pelas células que produzem insulina, essencial para controlar os níveis de açúcar do sangue;
  •  Exócrina: exercida pelas células produtoras de enzimas que participam do processo de digestão e absorção dos alimentos.

Em ordem de frequência, o câncer de pâncreas ocupa a terceira posição entre os tumores do trato gastrintestinal e atinge de modo relativamente semelhante homens e mulheres. O pico de incidência ocorre entre os 50 e 80 anos de idade. Mais de 90% dos pacientes têm idade superior a 55 anos.

Anatomia do pâncreas com visão do órgão ampliada. Ducto biliar

Anatomia do pâncreas com visão do órgão ampliada. Ducto biliar

HISTÓRIA NATURAL DA DOENÇA

O câncer de pâncreas pode se originar na cabeça, no corpo ou na cauda do órgão. Ao crescer, penetra o tecido pancreático até chegar à cápsula que reveste o órgão e à gordura ao seu redor. A partir dessa fase, vai invadir estruturas vizinhas e linfonodos. De início, são comprometidos os linfonodos situados nas imediações do pâncreas; em seguida, os linfonodos abdominais mais distantes.

Com a progressão, as células malignas se disseminam principalmente para o fígado e o peritônio (membrana que recobre os órgãos abdominais), provocando acúmulo de líquido na cavidade abdominal (ascite). Os pulmões e a pleura também podem ser atingidos. O crescimento costuma ser rápido. No momento do diagnóstico, somente 20% a 30% dos pacientes apresentam tumor ainda restrito ao pâncreas.

Crescimento local do câncer de pâncreas. Note que o câncer, ao crescer, passa a penetrar o tecido pancreático até chegar à cápsula que reveste o órgão e à gordura ao seu redor, seguido de invasão de estruturas vizinhas e linfonodos próximos.

Crescimento local do câncer de pâncreas. Note que o câncer, ao crescer, passa a penetrar o tecido pancreático até chegar à cápsula que reveste o órgão e à gordura ao seu redor, seguido de invasão de estruturas vizinhas e linfonodos próximos.

 

Crescimento à distância do câncer de pâncreas. Note que o câncer pode comprometer o fígado, o peritônio, os pulmões e a pleura.

Crescimento à distância do câncer de pâncreas. Note que o câncer pode comprometer o fígado, o peritônio, os pulmões e a pleura.

TIPOS DE CÂNCER DE PÂNCREAS

Adenocarcinoma

É o tipo mais comum e mais agressivo, responsável por mais de 90% dos casos. Origina-se nas células glandulares exócrinas do pâncreas e guarda relação de causa e efeito com o tabagismo. Existem algumas variantes dos adenocarcinomas pancreáticos: o carcinoma adenoescamoso, o carcinoma acinar, o de células em anel de sinete, o de células claras e o carcinoma mucinoso.

Tumores das células das ilhotas do pâncreas

Correspondem ao segundo tipo mais comum. Originam-se nas célula endócrinas do pâncreas. Alguns podem ser benignos; outros, malignos. Um dos mais comuns é o insulinoma, tumor que pode produzir insulina em excesso provocar quadros graves de hipoglicemia.