Tipos de câncer / Câncer de próstata



Dr. Fernando Maluf.

Dr. Fernando Maluf

Dr. Fernando Maluf é Doutor em Ciências/Doutorado em Urologia pela FMUSP, membro associado do American Cancer Society e Diretor do Serviço de Oncologia Clínica do Hospital BP Mirante de São Paulo. Foi Chefe do Programa de Residência Médica em Oncologia Clínica e membro integrante do Centro de Oncologia do Hospital Sírio Libanês. É autor de artigos científicos e de mais de uma dezena livros publicados no Brasil e no exterior, além de Professor Livre Docente pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Câncer de próstata | Prevenção

Embora haja controvérsias, os exames para o diagnóstico precoce do câncer de próstata devem ser realizados anualmente e incluem dosagem do PSA e toque retal.

Para a maioria dos homens, recomenda-se que esses exames comecem a ser feitos aos 50 anos, e que sejam repetidos anualmente. Para os indivíduos negros e para aqueles com parentes de primeiro grau com história de câncer de próstata (pai e irmãos), os exames estão indicados a partir 40 anos de idade.

Caso o PSA apresente valores acima de 2,5 ng/mL, 3,5 ng/mL e 4,0 ng/mL em indivíduos entre 40-50, 50-60 e > 60 anos, respectivamente, e nos casos em que o PSA aumente de forma significativa de um ano para outro, a maioria dos urologistas indica biópsia da próstata.

É importante deixar claro que existem causas benignas de aumento do PSA: infecção urinária, prostatites, hipertrofia benigna da próstata etc. Outro sinal de alerta é a presença de um nódulo na próstata ao toque retal.

Mesmo não havendo consenso, alguns estudos sugerem que dietas pobres em gordura e carnes vermelhas, mas ricas em grãos, cereais, frutas e vegetais podem proteger contra o aparecimento da doença.

Nessa linha, tomate cozido, por conter alto teor de licopeno (substância antioxidante) e soja também parecem ajudar na prevenção do câncer. Por outro lado, dietas ricas em vitamina E e selênio não parecem ter nenhum efeito protetor.

Algumas medicações com ação anti-hormonal têm sido estudadas na prevenção. A mais avaliada foi a finasterida. Estudos com milhares de homens sugerem que a finasterida reduz o risco de desenvolver a doença, porém essa redução ocorre principalmente no caso dos tumores de baixa agressividade, que geralmente não colocam a vida em risco. Além disso, a finasterida é um medicamento relativamente caro e pode interferir na libido e na potência sexual.